NOTÍCIAS

O primeiro mês do ano é dedicado à saúde mental. Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) indicam que no Brasil  5,8% dos habitantes têm depressão (segundo país das Américas, apenas atrás dos Estados Unidos) e que 9,3% possuem algum transtorno de ansiedade, sendo a maior taxa mundial. Assim, a campanha Janeiro Branco tem como objetivo valorizar a importância da saúde mental e emocional ao combater o adoecimento da população, evidenciando a urgência do tema e promovendo debates sobre a implementação de políticas públicas. 


O Ambulatório Médico de Especialidades de Psiquiatria  Dra. Jandira Masur (AME Psiquiatria), sob gestão da SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina) observou um aumento de casos de transtornos de ansiedade. Antes da pandemia uma média de 1700 pacientes eram atendidos com este diagnóstico. Houve um aumento gradual desses casos, chegando a um pico de mais de 2.000 atendimentos pós pandemia). Entre as faixas etárias que mais tiveram um aumento deste diagnóstico foi a de crianças e adolescentes.


O aprofundamento das desigualdades sociais somada ao isolamento devido às medidas de distanciamento por conta da pandemia de Covid-19 tem feito com que os transtornos mentais venham aumentando. Por isso é muito importante estabelecer rotinas saudáveis, com horários para a realização de atividades (trabalho, estudos, tarefas), praticar exercícios físicos, manter hobbies (ler livros, assistir filmes, jardinagem, artesanato), assim como manter contato com amigos e familiares, ainda que seja  por videochamadas.”Para manter a saúde mental é importante uma boa interação entre as pessoas, pois esta faz parte da natureza humana e contribui para o bem-estar”, lembra a Dra Ariella Hasegawa, coordenadora clínica do AME de Psiquiatria. 


Mas ao surgir algum desses sinais, procure ajuda médica.


-Sintomas de ansiedade (falta de ar, tremor, taquicardia, náuseas etc);

-Depressão (fadiga, tristeza, mudança de humor, hábitos alimentares e no sono, entre outros aspectos);

-Pensamentos obsessivos;

-Tristeza profunda;

-Mudança de humor repentina;

-Desinteresse e isolamento;

-Irritabilidade e sentimento de culpa, entre outros.



PÁG. ANTERIOR
Compartilhe:


Confira também: